segunda-feira, 14 de junho de 2010

GLOSSÁRIO

A

Análise de Custo Benefício: Técnica que tenta destacar e avaliar os custos sociais e os benefícios sociais de projetos de investimento, para auxiliar a decidir se os projetos devem ou não ser realizados. O objetivo é identificar e medir as perdas e ganhos em valores econômicos com que arcará a sociedade como um todo, se o projeto em questão for realizado.
Alavancagem Operacional: Ocorre pelo fato de que os custos fixos são distribuídos por um volume maior de produção, fazendo com que o custo unitário da mercadoria seja reduzido. Lucro é o retorno positivo de um investimento feito por um indíviduo ou uma pessoa nos negócios.

C

Custeio por Absorção Integral: Todos os custos da empresa são apropriados aos produtos;
Custeio por Absorção Ideal: Apenas uma parcela considerada normal dos custos fixos correspondente ao nível de utilização real da capacidade produtiva, deve ser repassado aos produtos e o restante dos custos fixos serem considerados como Perdas da Empresa;
Custeio Variável ou Direto: Nenhuma parcela dos custos fixos aos produtos considerando-os como custos que devem ser cobertos pelo somatório das margens de contribuição de cada produto multiplicada pelas quantidades vendidas.


D

Departamentalização: É resultado de um estudo feito pela administração da empresa, que leva em conta as várias especialidades e as diversas atividades ou funções. É a divisão do trabalho baseada na capacidade específica de cada pessoa ou grupo de pessoas.

E

Estoque: Depósito de mercadorias para vender ou exportar.

G

Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer.

I

Investimento: Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período.

L

Lucro: Ganho, rendimento. Produto livre de despesas.

M

Matéria Prima: Substância principal com a qual se fabrica alguma coisa.

P

Perda: Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária.

S

Sistema de Custeamento pela Responsabilidade: É um sistema contábil implantado para que as despesas e os custos possam ser controlados pelos responsáveis por esses centros, que são as pessoas que têm a função de administrar suas operações.

T


Trajetória de Melhorias: Pode ser definida como uma seqüência coordenada de implantação de iniciativas complementares, buscando sustentar melhorias no desempenho e inovações contínuas de processo e produto.

U
Unidade de esforço de produção: Baseia-se na unificação da produção para simplificar o processo de controle de gestão. Representam todo o esforço despendido no sentido de transformar matéria-prima nos produtos acabados da empresa.

Algumas Referências Bibliográficas

BACKER, Norton, JACOBSEN, Lyle E. Contabilidade de Custos: um enfoque de administração de empresas. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1973, 2 v.;
CAMPIGLIA, Américo Oswaldo, CAMPIGLIA, Oswaldo Roberto P. Controles de gestão. São Paulo: Atlas, 1994;
CASHIN, James A., POLIMENI, Ralph S. Theory and problems of cost accounting: schaum’s outline series. New York: McGraw-Hill, 1978;
CORCORAN, A. Wayne. Costs – Accouting analysis, and control. New York: John Wiley & Sons, 1978;
HAMER, Lawrence H. Carter, Willian K., USRY, Milton F. Cost accounting. 11. Ed. Cincinati: South-Western Publishing, 1994;
HORNGREN, Charles T. Cost accounting: a managerial emphasis. 3. Ed. Madri: Prentice-Hall International, 1972;
IBRACOM-CRC-SP. Curso sobre contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 1992. V. 5;
Leone, George S. Guerra. Custos: planejamento, implantação e controle. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 1994;
___________________Custos: um enfoque administrativo. 11. Ed. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 1995:
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 1990;
MATZ, Adolph, CURRY, Othel j., FRANK, George. Contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 1973, 3 v.;
PADOVEZE, Clovis Luiz. Contabilidade gerencial. São Paulo: Atlas, 1994;
SMITH, Jack L., KEITH, Robert M., STEPHENS, William L. Managerial accounting. New York: McGraw-Hill, 1988.

Obs.: Dados coletados do livro de LEONE, George S. Guerra. Curso contabilidade de custos. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Questão da prova do concurso TRE MT CESPE 2010

De acordo com os critérios de avaliação dos elementos do passivo no balanço patrimonial, segundo a Lei n.º 6.404/1976, obrigações, encargos e riscos, conhecidos ou calculáveis, inclusive imposto sobre a renda a pagar com base no resultado do exercício, devem ser avaliados pelo:

a) custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão.
b) seu valor justo.
c) valor atualizado até a data do balanço.
d) custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior.
e) custo de aquisição, deduzido de provisão para perdas prováveis na realização do seu valor.

Comentários

Nos termos do inciso I do art. 184 da Lei 6404/76,
“as obrigações, encargos e riscos, conhecidos ou calculáveis, inclusive Imposto sobre a Renda a pagar com base no resultado do exercício, serão computados pelo valor atualizado até a data do balanço.”

Resposta: C

Site: http://www.vemconcursos.com/opiniao/index.phtml?page_ordem=alfa&page_autor=22&page_id=2252

Sites relacionados com a Contabilidade de Custos

www.sitecontabil.com.br;
www.portaldecontabilidade.com.br;
www.cfc.org.br;
www.covesa.hpg.com.br/analise_custos.htm;
www.sistemascontabeis.com.br;
www.contabilidadedecustos.info/;
http://concurseirosdobrasil.net/apostilas/contabilidade-de-custos-eliseu-martins;
http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=custosinstsfn.

Perguntas e respostas sobre Contabilidade de Custos

O que é Contabilidade de Custos?

A contabilidade de custos é o ramo da contabilidade que se destina a produzir informações para diversos níveis gerenciais de uma entidade, como auxílio às funções de determinação de desempenho, e de planejamento e controle das operações e de tomada de decisões, bem como tornar possível a alocação mais criteriosamente possível dos custos de produção aos produtos. Coleta dados, classifica e registra os dados operacionais das diversas atividades da entidade, denominados de dados internos, bem como, algumas vezes, coleta e organiza dados externos. Os dados coletados podem ser tanto monetários como físicos. Exemplo de dados físicos operacionais: unidades produzidas, horas trabalhadas, quantidade de requisições de materiais e de ordens de produção, entre outros.

Quais os principais objetivos básicos da Contabilidade de Custos?

Avaliação de estoques;
Atendimentos das exigências fiscais;
Determinação do resultado;
Planejamento;
Formação do preço de venda;
Controle gerencial;
Avaliação do desempenho;
Controle Operacional;
Análise de alternativas;
Estabelecimento de parâmetros;
Obtenção de dados para Orçamento;
Tomada de decisão.

Qual a relação entre os princípios da competência, prudência e uniformidade com a contabilidade de custos?

O Princípio da competência reconhece as receitas, as despesas e os custos na apuração do resultado do período a que pertencem.
O Princípio da uniformidade diz que os critérios aplicados num período, devem ser mantidos nos períodos subseqüentes.
O Princípio da prudência diz que todas as despesas e prejuízos devem ser previstos e provisionados e as receitas nunca devem ser antecipadas antes que possam ser consideradas como realizadas.
A partir de que século a Contabilidade de Custos teve um grande desenvolvimento?
A Contabilidade de Custo começou em meados do século XIX, mas teve um grande desenvolvimento a partir da segunda guerra mundial (anos 50 pra cá) com a chamada Contabilidade Gerencial.

Por que é necessário que as empresas industriais tenham um bom sistema de Custos?
Para melhor gerenciarem sua produção, despesas, custos e lucros.
Os fatores de custo de um produto em uma empresa industrial são os mesmos que em uma comercial?

Em partes sim como, por exemplo, os custos fixos, porém já os custos variáveis são diferentes enquanto a indústria tem gastos com matéria prima para produção a empresa comercial não tem.

Qual a diferença entre custos e despesas?

Custos: Compreende a soma dos gastos com bens e serviços aplicados ou consumidos na produção de outros bens ou serviços.
Despesas: Compreende os gastos decorrentes do consumo de bens e da utilização de serviços das áreas administrativa, comercial e financeira que visam a obtenção de receitas.

Qual a diferença entre custos diretos e indiretos?

Custos Indiretos: Beneficiam toda a produção de um bem ou serviço. São todos os custos de produção, exceto os materiais diretos e mão de obra direta.
Custos diretos: São aqueles que são facilmente atribuíveis a m determinado bem ou serviço, ou seja, são percebidos com clareza em cada produto ou serviço.

O que são considerados custos de transformação?

É o custo de transformação do material em produtos. É a soma de mão de obra indireta e custos indiretos de fabricação.

Qual a diferença entre custos fixos e custos variáveis?

Custos fixos: Independem do volume de produção ou venda.
Custos variáveis: Estão diretamente relacionados com o volume de produção ou venda.

O que são custos semi variáveis?

São aqueles que possuem uma parcela fixa e outra variável.

Em que consiste o sistema de custeio por absorção?

Consiste em apurar o valor dos custos dos bens ou serviços tomando como base todos os custos de produção, seja fixos ou variáveis.

Em que consiste o sistema de custeio variável?

Considera apenas os custos variáveis de apropriação direta como custo de produção ou serviço.

O que são os Custos Indiretos de Fabricação – CIF? Exemplifique.

São alocações de custos através de rateio, com critérios adjuntos pela empresa.

Qual tratamento contábil deve ser dado ao desperdício ou perda?

O desperdício ou perda devem ser contabilizados na receita do período.

O que significa Ponto de Equilíbrio (Break Even Point)? Como calculá-lo?

É o valor ou quantidade que a empresa precisa vender para cobrir o custo das mercadorias vendidas, as despesas variáveis e as despesas fixas.
PE= CF/(PV-CVu)

Como usar a alavancagem operacional para prever o lucro?

As empresas com maior sistema de alavancagem, qualquer alteração no volume de vendas, causa um maior aumento nos lucros.

O que é margem de contribuição?

É quanto cada serviço ou produto vendido contribui para pagar as despesas fixas mensais e quanto contribui para formar o lucro.

Qual a legislação que exige que as empresas tenham uma contabilidade de custos?

Não existe uma legislação que obriga uma empresa a ter uma contabilidade de custos. A iniciativa é da própria empresa.

O que é o Custeio ABC?

É uma metodologia de custeio que procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário dos custos indiretos.

Qual o papel de um Controller numa empresa?

O papel de um controller é ter o controle das informações administrativas, para manter um plano integrado e definir estratégias dentro de uma empresa.

Questões da prova do ENADE 2009

ENADE

Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades do produto A, 200 unidades do produto B e 300 unidades do produto C. Os custos indiretos totais foram de R$ 1.700,00. Os custos diretos unitários de matéria-prima representavam, respectivamente, R$ 1,50, R$ 1,00 e R$ 0,50, e os custos diretos unitários de Mao de obra R$ 1,00, R$ 0,50 e R$ 0,50. O critério de rateio dos custos indiretos foi proporcional ao custo direto total de cada produto.

Considerando-se essas informações, o custo unitário dos produtos A, B e C pelo custeio por absorção são, respectivamente,

A)R$ 11,00; R$ 4,05; R$ 2,13.
B)R$ 7,50; R$ 4,50; R$ 3,00.
C)R$ 6,50; R$ 4,00; R$ 2,50.
D)R$ 5,00; R$ 3,00; R$ 2,00. Resposta
E)R$ 2,50; R$ 1,50; R$ 1,00.

Os produtos A, B e C são fabricados pela Companhia Lua Nova em quantidades iguais e consomem, em seus processos produtivos, quantidades idênticas do mesmo material (Custo Direto e Variável), porém demandam diferentes esforços de produção (Custos Indiretos e Fixos). A empresa utiliza, atualmente, o método de custeio por absorção e faz o rateio dos custos indiretos em função da quantidade de material.

Sabendo-se que o Produto A é o maior consumidor dos esforços de produção, a implantação do Custeio Baseado em Atividades (ABC) fará com que seu lucro seja inferior àquele apurado atualmente.
Porque no método de custeio anteriormente utilizado, o Produto A recebe, mediante rateio, menor parcela dos custos indiretos. Analisando-se essas frases, é CORRETO afirmar que:

A)A 1ª afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira.
B)A 1ª afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa.
C)As duas afirmações são falsas. Resposta.
D)As duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira.
E)As duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira.

A importância da Gestão de Custos na Tomada de Decisão

Andreza Nilo de Andrade
Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis da Universidade UNA.
Cursando 6º. Período.


Resumo:
Para começar, resolvi esclarecer o que é a Contabilidade de Custos, que é o ramo da Contabilidade que se destina a produzir informações para os diversos níveis gerenciais de uma entidade, como auxílio às funções de determinação de desempenho, de planejamento e controle das operações e de tomada de decisões. Ela trabalha dados operacionais de vários tipos eles podem ser históricos, estimados, padronizados e produzidos. Apenas como forma de atender a uma exigência didática, os estudiosos classificaram as necessidades gerenciais em três grandes grupos:
Informações que servem para a determinação da rentabilidade e do desempenho das diversas atividades da entidade;
Informações que auxiliam a gerência a planejar, a controlar e a administrar o desenvolvimento das operações;
E por último, informações para a Tomada de Decisões.
Para garantia dessas informações, o contador de Custos, deverá antes de desenvolver sua atividade, conhecer o processo produtivo e as relações entre os diversos setores da entidade.
Os Sistemas de Custeio a serem utilizados na entidade, serão estabelecidos em conformidade com as necessidades dos usuários e segundo a natureza das operações e das atividades. Isso em conjunto com o usuário de cada departamento, analisando qual o melhor sistema a ser implantado. Alguns exemplos:
-Sistema de Custeamento pela Responsabilidade;
-Sistema de Custeamento Baseado em Atividades (ABC);
-Sistema Toyota de Produção (STP);
-Teoria das Restrições (TOC);
-Just In Time;
-Custeio por Absorção Integral;
-Custeio por Absorção Ideal;
-Custeio Variável ou Direto, entre outros.
Finalizando, o mercado consumidor está cada vez mais exigente, o ambiente bastante competitivo. As mudanças no sistema de produção e a introdução de novas tecnologias fazem com que as empresas de maneira rápida venham atender aos apelos, necessidades, demandas do ambiente externo, com o intuito de inovar, aumentando a produção, melhorias internas através de aperfeiçoamentos, treinamentos e utilização de outros sistemas mesmo com erros e acertos até chegar ao que melhor se adapte ao que a empresa necessite, mesmo sendo utilizado dois ou mais até se alinharem e atingir o objetivo de toda empresa, maximizar lucros e com isso também reduzir custos, portanto estes sistemas são considerados fontes essenciais na Tomada de Decisão.
Referências Bibliográficas:
LEONE, George S. Guerra. Curso de contabilidade de custos. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2000;
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 1993;
Site: www.producaoonline.ufsc.br